Arquidiocese de Pelotas: Será uma Semana Santa diferente


DIRETRIZES COM RELAÇÃO À SEMANA SANTA 2020:

A Semana Santa e o Tríduo Pascal – constituídos pelo Domingo de Ramos (Domingo Santo), pela Missa da Ceia do Senhor (Quinta-Feira Santa), a Ação Litúrgica da Paixão (Sexta-Feira Santa) e a Vigília Pascal (Sábado Santo) – deverão ser celebrados na Catedral Metropolitana e nas Igrejas Paroquiais, apenas pelo arcebispo, sacerdotes e sem a participação dos fiéis; os fiéis sejam avisados da hora do início das celebrações dos Mistérios Litúrgicos, de modo que possam unir-se em oração nas respectivas habitações.

Em relação, especificamente:

1. Ao DOMINGO DE RAMOS:

Celebra-se a Missa Dominical na terceira forma prevista no Missal Romano, omitidas a Bênção dos Ramos e a Procissão. Escolha-se uma das duas leituras previstas. A proclamação da Paixão seja feita em sua forma breve.

A “Coleta da Campanha da Fraternidade” será transferida para uma data a ser oportunamente divulgada.


2. Ao TRÍDUO PASCAL:

O Tríduo Pascal – constituído pela Missa da Ceia do Senhor (Quinta-Feira Santa), a Ação Litúrgica da Paixão (Sexta-Feira Santa) e a Vigília Pascal (Sábado Santo) – deverá ser celebrado na Catedral Metropolitana e nas Igrejas Paroquiais, apenas pelo arcebispo, sacerdotes e sem a participação dos fiéis; desses Mistérios Litúrgicos sejam avisados os fiéis da hora de início, de modo que possam unir-se em oração nas respectivas habitações.

2.1. Missa da Ceia do Senhor – Quinta-Feira Santa

A Missa do Crisma (Bênção dos Santos Óleos) e a Renovação das Promessas Sacerdotais serão adiadas para uma data a ser estabelecida, passada esta emergência sanitária.

A Missa da Ceia do Senhor seja celebrada conforme o Missal Romano, omitindo-se o Lava-pés e a Procissão Eucarística. Ao término da Missa, o Santíssimo deverá ser reposto no tabernáculo habitual da Reserva Eucarística.

2.2. Celebração da Paixão do Senhor – Sexta-Feira Santa

A Celebração da Paixão do Senhor seja seguida conforme o ritual previsto no Missal Romano, com as seguintes adaptações:

a) Na Oração Universal, após a Xª intenção, acrescente-se uma nova intenção:

XI. Pelos que padecem a pandemia do COVID-19: Oremos ao Deus da vida, salvação do seu povo, para que sejam consolados os que sofrem com a doença e a morte, provocadas pela pandemia do novo coronavírus; e que sejam também inspirados os que se dedicam com a pesquisa de uma vacina eficaz. (Reza-se em silêncio; depois o sacerdote diz:) Ó Deus, nosso refúgio nas dificuldades, força na fraqueza e consolo nas lágrimas, compadecei-vos do vosso povo que sofre sob a pandemia, para que encontre finalmente alívio na vossa misericórdia. Pro Cristo, nosso Senhor. Amém.

b) No momento da Adoração da Cruz, nas celebrações transmitidas pelos veículos de comunicação, o celebrante, após o seu gesto de adoração e com a Cruz nas mãos, convide e motive os fiéis a adorarem a Cristo crucificado, morto e ressuscitado, nosso Salvador.

c) A “Coleta para os Lugares Santos” será transferida para uma data a ser oportunamente divulgada.

2.3. À VIGÍLIA PASCAL – SÁBADO SANTO:

No início da Vigília omite-se a Bênção do Fogo Novo e se passa imediatamente à Bênção do Círio e ao Anúncio da Páscoa, utilizando-se a forma breve.

Na Liturgia da Palavra, omitem-se as Leituras da Vigília, entoa-se o Glória, reza-se a Oração do Dia e proclamam-se a Primeira Leitura e o Evangelho.

Após a homilia, faz-se imediatamente a Renovação das Promessas do Batismo, omitindo-se a Liturgia Batismal.

A Celebração segue normalmente até à Benção Final.

3. OUTRAS RECOMENDAÇÕES

3.1. Para o Domingo da Páscoa siga-se a mesma Disposição já emanada no Decreto do dia 18 de março de 2020 (sem a participação dos fiéis).

3.2. As expressões próprias da piedade popular da Semana Santa, podem ser realizadas em outras datas (uma data adequada para a realização, é aquela dos dias 14 e 15 de setembro próximo, dia da Festa da Exaltação da Cruz).

3.3. Para o atendimento das Confissões, também durante a Semana Santa, continuam as mesmas Disposições já emanadas no dia 18 de março passado; não sendo possível a confissão, seguem as Orientações emitidas pelo Papa Francisco, no dia 20 de março passado, que apresentam, unicamente para este momento excepcional, a possibilidade de se colocar diante de Deus, de coração arrependido, num momento de oração pessoal e pedir a Deus o perdão; o penitente, no entanto, se comprometa a confessar-se com o sacerdote assim que puder.

3.4. Propõe-se, especialmente na Semana Santa, além de estar em comunhão com as Celebrações Litúrgicas através dos meios de comunicação, a oração pessoal, a oração em família, a Leitura Orante da Palavra de Deus com a Lectio Divina, a reza do Rosário, a leitura de livros espirituais, o estudo da Doutrina Católica e de outros atos de cultivo da espiritualidade.

Será uma Semana Santa diferente. Importa que também a saibamos fazê-la “santa” diferentemente. Abracemos o Cristo Morto e Ressuscitado para abraçarmos a morte e a ressurreição nossa e da humanidade nestes tempos difíceis em que estamos vivendo.

Dado e passado em nossa Cúria Arquidiocesana, ao 1º dia do mês de abril de 2020.

Dom Jacinto Bergmann,

Arcebispo Metropolitano de Pelotas.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios .